Obrigada ... ( Visualizações )

quarta-feira, 29 de março de 2017

Atracções turísticas e Notificações em Portugal

Esta pagina contem Informações , fotos , em que poderá ajuda-la/o a tomar nota dos locais a visitar durante a sua estadia ... 

Casas e apartamentos para férias em Portugal :
Casas e apartamentos para férias Ilha de São Miguel e outras Ilhas 
http://ernestocastanha.blogspot.com


Red Bull Air Race Porto 2017
A mais importante competição internacional de aviões regressa em Setembro de 2017 às paisagens do Douro.
O Porto integra assim, 10 anos depois da estreia, o calendário da Red Bull Air Race World Championship – desta vez com ainda mais animação.
 A etapa ficou na história do desporto português, com um recorde de público que ultrapassou um milhão de espectadores nas margens do Porto e de Vila Nova de Gaia.
A ação regressa assim às margens do rio Douro nos dias 2 e 3 de Setembro .
Para ver e  reservar a sua estadia :
http://ernestocastanha.blogspot.com/2016/08/apartamentos-moradias-para-ferias-em.html
Para mais informações
Preenche formulário de Contacto .
Móvel: 964619926



Lisboa



Panteão Nacional
O Panteão Nacional destina-se a homenagear e a perpetuar a memória dos cidadãos portugueses que se distinguiram por serviços prestados ao País, no exercício de altos cargos públicos, altos serviços militares, na expansão da cultura portuguesa, na criação literária, científica e artística ou na defesa dos valores da civilização, em prol da dignificação da pessoa humana e da causa da liberdade. As honras do Panteão podem consistir na deposição, no Panteão Nacional, dos restos mortais dos cidadãos distinguidos ou na afixação, no Panteão Nacional, de lápide alusiva à sua vida e à sua obra.



EXCLUSIVO: Jardim Zoológico para 2 adultos + 1 criança com volta de carrossel! Inclui apresentações dos golfinhos, teleférico e muito mais!


Aqueduto das Águas Livres
O Aqueduto das Águas Livres é um complexo sistema de captação, adução e distribuição de água à cidade de Lisboa, em Portugal, e que tem como obra mais emblemática a grandiosa arcaria em cantaria que se ergue sobre o vale de Alcântara, um dos bilhetes postais de Lisboa.
O Aqueduto foi construído durante o reinado de D. João V, com origem na nascente das Águas Livres, em Belas, Sintra, e foi sendo progressivamente reforçado e ampliado ao longo do século XIX. Resistiu incólume ao Terramoto de 1755.
Visitas Guiadas ao Aqueduto
1 Março/14 a 30 Novembro/14
Ter a Sáb: 10h-17h30


Sé de Lisboa
A Sé de Lisboa, ou Igreja de Santa Maria Maior, localiza-se na cidade de mesmo nome, em Portugal. É a sede do Patriarcado de Lisboa e da Paróquia da Sé. A sua construção teve início na segunda metade do século XII, após a tomada da cidade aos mouros por D. Afonso Henriques, e apresenta-se hoje como uma mistura de estilos arquitetônicos. É classificada como Monumento Nacional desde 1910.

Museu de Marinha
O Museu de Marinha[i] é um museu situado na freguesia portuguesa de Santa Maria de Belém, no concelho de Lisboa, mais precisamente, na ala oeste do Mosteiro dos Jerónimos. É um dos mais importantes, reconhecidos e visitados de Portugal
O Museu recebe, anualmente, mais de 145.000 visitantes, sendo o segundo mais visitado do país (depois do Museu dos Coches)


Igreja de Santo António de Lisboa
A Igreja de Santo António é um edifício localizado na freguesia de Santa Maria Maior (Sé), no concelho de Lisboa, Portugal. Encontra-se alegadamente no local da casa onde Santo António nasceu, junto à antiga Porta do Mar, que existia na muralha de acesso ao interior de Lisboa medieval, e assume-se como seu santuário. Ao lado, encontra-se um pequeno museu a ele dedicado.
Manda a tradição que os jovens que tencionam casar, no dia do casamento, visitem a igreja, rezem e deixem flores para Santo António, que é o intercessor dos recém-casados. Na descida para a cripta, há um painel de azulejos modernos que celebra a visita do Papa João Paulo II em 1982.
Segunda a Sexta-feira: 8.00 às 19.00 horas
 Sábados, Domingos e Dias Santos: 8.00 às 19.45 horas


 Igreja de Nossa Senhora da Conceição Velha
A Igreja de Nossa Senhora da Conceição Velha é uma igreja localizada no centro de Lisboa, na Rua da Alfândega. Resultou da reconstrução após o terramoto de 1755 da antiga Igreja de Nossa Senhora da Misericórdia de Lisboa, sede da primeira Misericórdia do país. A sua fachada é, juntamente com o Mosteiro dos Jerónimos e a Torre de Belém, uma das melhores estruturas do manuelino sobreviventes ao grande terramoto. Está classificada como monumento nacional desde 1910.


Museu e Igreja de São Roque
A Igreja de São Roque é uma igreja católica em Lisboa, dedicada a São Roque e mandada edificar no final do século XVI, com colaboração de Afonso Álvares e Bartolomeu Álvares. Pertenceu à Companhia de Jesus, sendo a sua primeira igreja em Portugal, e uma das primeiras igrejas jesuítas em todo o mundo. Foi a igreja principal da Companhia em Portugal durante mais de 200 anos, antes de os Jesuítas terem sido expulsos do país no século XVIII. A igreja de São Roque foi um dos raros edifícios em Lisboa a sobreviver ao Terramoto de 1755 relativamente incólume. Tanto a igreja como a residência auxiliar foram cedidas à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, para substituir os seus edifícios e igreja destruídos no sismo. Continua a fazer parte da Santa Casa hoje em dia.
Aquando da sua construção no século XVI, foi a primeira igreja jesuíta a ser desenhada no estilo "igreja-auditório", especificamente para pregação. Tem diversas capelas, sobretudo no estilo barroco do século XVII inicial, sendo a mais notável a de São João Baptista, do século XVIII, projecto inicial de Nicola Salvi e Luigi Vanvitelli, depois alterado com a intervenção do arquitecto-mor João Frederico Ludovice, como se pode verificar pela correspondência entre Ludovice e Vanvitelli, publicada por Sousa Viterbo e R. Vicente de Almeida em 1900. Ludovice enviou uma série de desenhos para Itália com as alterações impostas, uma vez que Vanvitelli se recusara a alterar o projecto inicial. Foi encomendada em Itália por D. João V em 1742. Chegou a Lisboa em 1747 e só ficou assente em 1749. É uma obra-prima da arte italiana, única no mundo, constituída por quadros de mosaico executados por Mattia Moretti, sobre cartões de Masucci, representando o Batismo de Cristo, o Pentecostes e a Anunciação. Suspenso da abóbada, de caixotões de jaspe moldurados de bronze, é de admirar um lampadário de excelente execução da ourivesaria italiana, enquadrado por um admirável conjunto de estátuas de mármore. Supõe-se que à época tenha sido a mais cara capela da Europa.
A fachada, simples e austera, segue os cânones impostos então pela igreja reformada. Em contraste, o interior é enriquecido por talha dourada, pinturas e azulejos e constituiu um importante museu de artes decorativas maneiristas e barrocas. Tem azulejos dos séculos XVI e XVII, assinados por Francisco de Matos.
O tecto, com pintura de interessante simbologia apresenta caixotões. A talha, maneirista e barroca, é rica e variada, com retábulos de altares e emoldura pinturas. Há mármores coloridos embrechados à italiana e um boa coleção de alfaias litúrgicas.
Ao lado do edifício, no Largo Trindade Coelho, está o Museu de Arte Sacra de São Roque, que tem compartimentos ligados com a igreja.

Convento do Carmo
O Convento do Carmo de Lisboa é um antigo convento da Ordem dos Carmelitas da Antiga Observância que se localiza no Largo do Carmo e foi erguido, sobranceiro ao Rossio (Praça de D. Pedro IV), na colina fronteira à do Castelo de São Jorge, na cidade e Distrito de Lisboa, em Portugal.
O conjunto, que já foi a principal igreja gótica da capital, e que pela sua grandeza e monumentalidade concorria com a própria Sé de Lisboa, ficou em ruínas devido ao terramoto de 1755, não tendo sido reconstruído. Constitui-se em um dos principais testemunhos da catástrofe ainda visíveis na cidade. Actualmente as ruínas abrigam o Museu Arqueológico do Carmo.
É possível que a ruína do Convento do Carmo e do vizinho Convento da Trindade, aquando daquele terramoto, esteja na origem da expressão popular: "cair o Carmo e a Trindade .



A Praça do Comércio , Terreiro do Paço
A Praça do Comércio, mais conhecida por Terreiro do Paço, é uma praça da Baixa de Lisboa situada junto ao rio Tejo, na zona que foi o local do palácio dos reis de Portugal durante cerca de dois séculos e que hoje está parcialmente ocupada por alguns departamentos governamentais. É uma das maiores praças da Europa, com cerca de 36 000 m² (180m x 200m).
Já foi considerada o centro do Governo do País.
Em 1511, o rei D. Manuel I transferiu a sua residência do Castelo de São Jorge para este local junto ao rio. O Paço da Ribeira, bem como a sua biblioteca de 70 000 volumes, foram destruídos pelo terramoto de 1755. Na reconstrução, coordenada por Eugénio dos Santos, a praça tornou-se no elemento fundamental do plano do Marquês de Pombal.
Os edifícios que envolvem a praça foram, durante décadas, utilizados por diferentes ministérios e outras instituições públicas. Hoje a sua utilização está dividida entre departamentos governamentais, atividades culturais e promocionais, hotéis, restaurantes e cafés.
É num dos edifícios da praça que se encontra o famoso café Martinho da Arcada, o mais antigo de Lisboa, e um dos preferidos de Fernando Pessoa.
Após a Revolução de 1910 os edifícios foram pintados a cor-de-rosa. Contudo, voltaram recentemente à sua cor original, o amarelo. O lado sul, com as suas duas torres quadradas, está virado para o Tejo.
Foi durante muito tempo a entrada nobre de Lisboa e, nos degraus de mármore do Cais das Colunas, vindos do rio, desembarcaram e foram recebidos chefes de estado e outras figuras de destaque.
No centro da praça, vê-se a estátua equestre D. José, erigida em 1775 por Joaquim Machado de Castro, o principal escultor português do século XVIII.
No lado norte da praça, encontra-se o Arco Triunfal da Rua Augusta, a entrada para a Baixa.
A área serviu como parque de estacionamento até à década de 1990, mas hoje este vasto espaço é usado para eventos culturais e espectáculos.

Castelo de São Jorge
O Castelo de São Jorge localiza-se na freguesia de Santa Maria Maior (Castelo), na cidade e concelho de Lisboa . O nome actual deriva da devoção do castelo a São Jorge, Santo Padroeiro dos Cavaleiros e das Cruzadas, feita por ordem de D. João I no século XIV.
Ao longo do tempo o castelo, assim como as diversas estruturas militares de Lisboa, foi sendo remodelado, ao ponto de na primeira metade do século XX estar já em avançado estado de ruína. Na década de 1940 foram empreendidas monumentais obras de reconstrução, levantando-se grande parte dos muros e alteando-se muitas das torres. Por esse motivo, ao contrário do que se poderia pensar à primeira vista, o "carácter medieval" deste conjunto militar deve-se a esta campanha de reconstrução, e não à preservação do espaço do castelo desde a Idade Média até aos nossos dias.
Ergue-se em posição dominante sobre a mais alta colina do centro histórico, proporcionando aos visitantes uma das mais belas vistas sobre a cidade e o estuário do rio Tejo.

Pela primeira vez, o número de visitantes do Castelo de São Jorge ultrapassou os 1,2 milhões de visitantes em 2014, uma subida de 17,6% face a 2013. A subida deveu-se sobretudo ao público estrangeiro .

Palácio dos Marqueses de Fronteira
O Palácio Fronteira, situado em Lisboa, foi construído entre 1671 ou 1672, como pavilhão de caça para João Mascarenhas, 1.º Marquês de Fronteira.
Apesar de alguns prédios altos serem visíveis à distância, continua a ocupar um lugar tranquilo, à beira do Parque Florestal de Monsanto. O palácio e o jardim têm belos azulejos cujos temas vão desde as batalhas às macacarias.
Embora o palácio ainda seja ocupado pelo 12.º Marquês de Fronteira (entre outros títulos), algumas das salas, como a biblioteca e o jardim podem ser visitados.
Segunda a sábado   visitas às 10h30, 11h00, 11h30, 12h00 (horário de Verão)
Segunda a sábado   visitas às 11h00 e 12h00 (horário de Inverno).


Basílica da Estrela
A Basílica da Estrela (ou Real Basílica e Convento do Santíssimo Coração de Jesus) é um templo católico e antigo convento de freiras carmelitas localizado na cidade de Lisboa, em Portugal. Esta vasta igreja, encimada por uma cúpula, ergue-se no alto de uma colina na zona oeste da cidade, sendo um dos marcos da zona da Lapa, e dá nome à freguesia homónima.
Curiosidade
A Basílica da Estrela foi a primeira igreja no mundo dedicada ao Sagrado Coração de Jesus tendo por base as revelações de Cristo a Santa Margarida Maria de Alacoque e reforçadas, mais tarde, à Beata Maria do Divino Coração Droste zu Vischering.
A rainha D. Maria I é a única monarca portuguesa da dinastia de Bragança (excepção feita ao rei D. Pedro IV de Portugal, imperador do Brasil, que se encontra sepultado na cidade de São Paulo) que não se encontra no Panteão da Dinastia de Bragança, mas sim na Basílica da Estrela, que ela mesma mandou erguer.

Oceanário de Lisboa👍
O Oceanário de Lisboa localiza-se na freguesia do Parque das Nações, na cidade de Lisboa, distrito de mesmo nome . Constitui-se em um aquário público e instituição de pesquisa sobre Biologia marinha e Oceanografia. É o segundo maior oceanário da península Ibérica contém uma extensa coleção de espécies — aves, mamíferos, peixes e outros habitantes marinhos.
Horário
Aberto das 10h às 19h
Horário de verão: Das 10h às 20h (última entrada às 19h), a partir de 26 de Março



Panteão Nacional
O Panteão Nacional, criado por Decreto de 26 de setembro de 1836 , encontra-se instalado em Lisboa, na Igreja de Santa Engrácia.
É ainda reconhecido o estatuto de Panteão Nacional, sem prejuízo da prática do culto religioso, ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, ao Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na Batalha, e à Igreja de Santa Cruz, em Coimbra .


Feira da Ladra
A Feira da Ladra é uma feira popular de objetos usados que ocorre na cidade de Lisboa, em Portugal.
Com raízes que remontam ao século XIII, a Feira da Ladra andou de sítio em sítio, até se fixar no Campo de Santa Clara, freguesia de São Vicente de Fora. Dedica-se, sobretudo, ao comércio de velharias, de objetos de segunda-mão e artesanato.
Ocorre semanalmente às terças e sábados, no período da manhã até à tarde.


Torre de Belém
Construída estrategicamente na margem norte do rio Tejo entre 1514 e 1520, sob orientação de Francisco de Arruda, a Torre de Belém é uma das jóias da arquitetura do reinado de D. Manuel I. O monumento faz uma síntese entre a torre de menagem de tradição medieval e o baluarte, mais largo, com a sua casamata onde se dispunham os primeiros dispositivos aptos para resistir ao fogo de artilharia. Ao longo do tempo a Torre de Belém foi perdendo
a sua função de defesa da barra do Tejo e, a partir da ocupação filipina, os antigos paióis deram lugar a masmorras. Nos quatro pisos da torre, mantêm-se a Sala do Governador, a Sala dos Reis, a Sala de Audiências e, finalmente, a Capela com as suas características abóbadas quinhentistas. 


Mosteiro dos Jerónimos
Obra fundamental da arquitectura Manuelina, o Mosteiro dos Jerónimos foi encomendado pelo rei D. Manuel I, pouco depois de Vasco da Gama ter regressado da sua viagem à Índia. 
A obra iniciou-se em 1502 com vários arquitectos e construtores, entre eles Diogo Boitaca (plano inicial e parte da execução) e João de Castilho (abóbodas das naves e do transepto, pilares, porta sul, sacristia e fachada). No reinado de D. João III foi acrescentado o coro alto.
O seu nome deriva do facto de ter sido entregue à Ordem de São Jerónimo, nele estabelecida até 1834. Sobreviveu ao sismo de 1755 mas foi danificado pelas tropas invasoras francesas enviadas por Napoleão Bonaparte no início do século XIX. 
Inclui, entre outros, os túmulos dos reis D. Manuel I e sua mulher, D. Maria, D. João III e sua mulher D. Catarina, D. Sebastião e D. Henrique e ainda os de Vasco da Gama, de Luís Vaz de Camões, de Alexandre Herculano e de Fernando Pessoa.
Os elementos decorativos são repletos de símbolos da arte da navegação e de esculturas de plantas e animais exóticos.
Numa extensão construída em 1850 está localizado o Museu de Arqueologia. O Museu da Marinha situa-se na ala oeste. 
Horários: 
Outubro a abril (das 10h00 às 17h30 h (última entrada às 17h00)
Maio a setembro (das 10h00 às 18h30 (última entrada às 18h00)
Encerra às segundas-feiras e nos dias 1 de janeiro, domingo de Páscoa, 1 de maio e 25 de dezembro

Jardim Zoológico de Lisboa👍
Horários e Apresentações
O JARDIM ZOOLÓGICO ESTÁ ABERTO TODOS OS DIAS DO ANO
21 Março a 20 Setembro 10.00 ás 20.00
21 Setembro a 20 Março  10.00 ás 18.00
As bilheteiras encerram 45 minutos antes da hora indicada para fecho do parque, incluindo para reentradas.

Museu da Rádio
O Museu da Rádio, possui um raro núcleo documental, composto por monografias e publicações periódicas, especialmente vocacionado para e estudo da evolução histórica dos receptores de rádio. Acolhe, ainda, o espólio das obras provenientes da Emissora Nacional, com alguns guiões do Teatro Radiofónico, e do seu acervo fotográfico.
Inaugurado em 1992, na Rua do Quelhas, 21 - Lisboa, foi a concretização a um projecto iniciado nos anos 60, no Rádio Clube Português. O Museu tem por missão dar testemunho do "século" de evolução da radiodifusão sonora na realidade portuguesa. Conta com uma das mais significativas colecções da Europa, composta por milhares de receptores, equipamentos de registo sonoro, de emissão, suportes de gravação e microfones. A exposição estende-se por 20 salas, algumas das quais temáticas. O museu presta também uma homenagem aos 90 anos de radio-amadorismo em Portugal.
Rua do Quelhas, 21 
1200 Lisboa 
Telefone
213 950 762

Museu Nacional dos Coches👍
O Museu dos Coches é um dos museus mais visitados em Portugal e recebeu 
novas instalações em 2015. Inaugurado em 1905, está situado em Belém.
O edifício pertenceu a uma escola de equitação construída pelo arquitecto italiano Giacomo Azzolini em 1726. Foi posteriormente transformada em museu por ordem da rainha D. Amélia, mulher do rei D. Carlos, com o nome de Museu dos Coches Reaes. Com a implementação da República em 1910, o museu passou a ter a designação actual.
A colecção é considerada a mais notável do Mundo dentro do género, permitindo-nos apreciar não só a evolução técnica dos transportes de tracção animal, como também a variada arte decorativa e ornamentação detalhada dos coches.
Entre os veículos utilizados pela nobreza e companhia, e antes de haver automóvel, há que observar as charretes e outras carruagens, os pequenos carros de passeios e ainda os carrinhos de bebé, entre tantos outros. Destaque-se um raro exemplar, o veículo de viagem de Felipe II (III de Espanha), construído no país vizinho entre o século XVI e XVII, uma das carruagens mais antigas das quais temos conhecimento.
O Museu não expõe apenas viaturas. Há ainda uma panóplia de vestuário, acessórios e objectos decorativos para explorar, e que foram utilizadas no serviço das viaturas e cortejos de gala no contexto da arte da cavalaria e jogos equestres. Também há uma colecção de retratos da Família Real portuguesa.
Praça Afonso de Albuquerque, 1300-004 Lisboa
Preço: Museu, 6€. Picadeiro Real, 4€. Combinado (Museu + Picadeiro), 8€. Grátis no primeiro Domingo de cada mês, para crianças (até 12 anos) e portadores do Lisboa Card.
Horário: 3ª-feira a Domingo, 10:00 – 18:00. Última entrada, 17:15 (Museu dos Coches) e 17:30 (Picadeiro Real). Fechado à 2ª-feira, 1 de Janeiro, 1 de Maio, Domingo de Páscoa, 24 e 25 de Dezembro.
Telefone: (+351) 210 732 313


Elevador de Santa Justa👍
O Elevador de Santa Justa, também referido como Elevador do Carmo, localiza-se na cidade de Lisboa, no distrito de mesmo nome, em Portugal. Liga a rua do Ouro e a rua do Carmo ao largo do Carmo e constitui-se num dos monumentos mais interessantes da Baixa de Lisboa.
A bilheteira localiza-se por trás da torre, sob os degraus da rua do Carmo. Os passageiros podem subir ou descer pelo elevador dentro de duas elegantes cabinas de madeira com acessórios de latão.
A história
A estrutura, em estilo neogótico, foi construída na viragem do século XIX para o XX com projeto do engenheiro Raoul Mesnier du Ponsard, que também se responsabilizou por outros similares no país. Contrariando a afirmação popular, não está comprovada a ligação deste engenheiro a Gustave Eiffel. O que se sabe é que tanto Ponsard quanto o arquitecto francês Louis Reynaud aplicaram nestes elevadores algumas das técnicas e materiais já utilizados em França.
As obras ter-se-ão iniciado em 1900 e a sua inauguração ocorreu a 10 de julho de 1902 tendo, à época, sido apelidado de Ascensor Ouro-Carmo. Nos primeiros anos do seu funcionamento era movido a vapor, passando, a 6 de novembro de 1907 a ser acionado por energia elétrica. A diferença de nível entre o piso da estação inferior (Rua de Santa Justa, na Baixa) e o da superior (Rua do Carmo) é de trinta metros.
Em Junho de 1902 ensaiaram-se máquinas e cabines e no mês seguinte, a 10 de Julho, o elevador inaugurou o serviço público. Nesse dia a chuva e a trovoada abateram-se sobre a cidade, mas nem mesmo assim esfriou o entusiasmo e a curiosidade de quantos quiseram experimentar o novo transporte ou apenas admirar o panorama. Era meio dia quando, sob o olhar atento da multidão, se procedeu à experiência definitiva com as cabines transportando para a estação superior grande número de convidados e de representantes da imprensa. Pouco depois chegava o Secretário Geral do Governo Civil, Dr. Alberto Cardoso de Menezes, para presidir à cerimónia a qual teve lugar de imediato. Nessa ocasião, uma banda instalada no terraço do prédio do Conde de Tomar executou o hino nacional enquanto no ar subiam girândolas de foguetes.
Foi considerada uma obra arrojada à época, atendendo ao desnível vencido, aos materiais utilizados e viadutos construídos, que possibilitaram os acessos à estação superior no Carmo. Atualmente constitui-se numa das estruturas mais visitadas na cidade, não apenas por portugueses mas, essencialmente, por turistas estrangeiros que procuram conhecer ambientes do passado (madeira e latão), processos mecânicos de transporte, e as soberbas vistas do piso superior sobre a cidade de Lisboa.
Horário do Elevador:
Horário de Inverno (outubro a maio): 7h00/21h45 
Horário de Verão (1 junho a 30 setembro) e Páscoa: 7h00/23h00
Horário do Miradouro de Santa Justa:
Todos os dias: 8h30/20h30 horas
Preço do elevador: 5,00€ (adquirido a bordo, válido até 2 viagens, inclui acesso ao Miradouro)
Preço do Miradouro de Santa Justa: 1,50€ (acesso apenas ao Miradouro, não permite fazer viagens)




Braga 

Bom Jesus (Miradouro)
Apresentação: O Santuário do Bom Jesus é uma das principais referências da cidade de Braga, situando-se num monte a nordeste, com esplêndida vista sobre a cidade. O acesso pode ser feito pelo monumental escadório ou através de um curioso e centenário elevador a água. O Parque do Bom Jesus integra árvores frondosas, caminhos floridos, fontes, bancos e telescópios para mirar a cidade. 
Observações: Santuário erguido no séc. XVIII sobre uma ermida quatrocentista. Possui telescópios para espreitar a cidade.


Elevador do Bom Jesus📷😉👌💓
O Elevador do Bom Jesus localiza-se no Santuário do Bom Jesus do Monte, na freguesia de Tenões, na cidade e concelho de Braga, distrito de mesmo nome, em Portugal.
Operado pela Confraria do Bom Jesus do Monte, liga a parte alta da cidade ao Santuário, vencendo um desnível de mais de cem metros de altura, e segue um percurso paralelo ao dos Escadórios do Bom Jesus, terminando, na parte mais alta, junto à estátua equestre de São Longuinho.
Sendo o primeiro funicular construído na Península Ibérica, é atualmente o mais antigo em serviço no mundo a utilizar o sistema de contrapeso de água.


Museu da Imagem
📷😉👌
O Museu da Imagem é um Museu de Braga, Portugal, dedicado à Fotografia.
Foi inaugurado em 25 de Abril de 1999, e está instalado no Campo das Hortas, junto ao Arco da Porta Nova. O imóvel é constituído por um edifício do século XIX e uma torre do século XIV da antiga muralha medieval. Os dois imóveis sofreram profundas obras de restauro com projecto da autoria do Arquitecto Sérgio Borges.
O museu possui máquinas fotográficas históricas e um vasto espólio de fotografias, de salientar o espólio herdado da “A Foto Aliança”, uma das mais antigas casas de fotografia da cidade.
O museu realiza também várias exposições temporárias, especialmente dedicadas à fotografia.
Periodicamente realizam-se visitas guiadas, nas quais o público pode participar nas oficinas da imagem.
Em 2005 editou o livro "Braga d'outros tempos", que descreve por imagens a evolução de Braga na primeira metade do século XX.


Sé Catedral
A Sé de Braga localiza-se na freguesia da Sé, cidade e concelho de Braga, distrito de mesmo nome, em Portugal.
Constitui-se na sede do bispado fundado, segundo a tradição, por São Tiago Maior que aqui terá deixado como primeiro bispo o seu discípulo, São Pedro de Rates. Devido a essa origem apostólica é considerada como Sacrossanta Basílica Primacial da península Ibérica, e o seu Arcebispo, Primaz das Espanhas. Possui liturgia própria, a liturgia bracarense.
Considerada como um centro de irradiação episcopal e um dos mais importantes templos do românico no país, aqui encontram-se os túmulos de Henrique de Borgonha, conde de Portugal e sua esposa, Teresa de Leão, pais de D. Afonso Henriques.

Arco da Porta Nova
Foi uma das portas nas muralhas da cidade, rasgada em 1512, à época do Arcebispo de Braga, D. Diogo de Sousa.
A sua atual feição data de 1772, por iniciativa do arcebispo D. Gaspar de Bragança, com projeto do arquiteto bracarense André Soares, num momento histórico em que a cidade rompia as antigas muralhas, expandindo-se.
Encontra-se classificada como Monumento Nacional desde 1910.
Junto encontra-se uma torre medieval, pertencente à muralha fernandina, e praticamente encoberta pelo casario. A entrada faz-se pelo Museu da Imagem.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Olá
Não esquecer de clicar em Notificar-me para poder receber as respostas e comentários .